Ministério Público decide futuro de Neymar

Segundo o colunista do A Tarde É Sua, Alessando Lo-Bianco, a promotora responsável pelo caso contra o jogador Neymar, não entendeu que as declarações vazadas em um áudio sejam classificadas como crimes, nem de homofobia e nem de ameaça.

A denúncia do ativista Agripino Magalhães que também exigia uma retratação do jogador por fazer comentários homofóbicos contra o ex-namorado da mãe, Tiago Ramos, também não será considerada pelo Ministério Público, já que Tiago, decidiu não registrar nenhum tipo de queixa.

A única investigação que possa se desenrolar desse caso, são as ameaças de morte que o ativista Agripino sofreu pelas redes sociais.